Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência)

Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência) 1

Não muito tempo atrás, relacionamentos e encontros eram, em grande parte, limitados às pessoas que você encontrou na vida real. Mas com o advento do namoro online, tudo isso mudou.

Indubitavelmente, um dos revolucionários no cenário moderno de namoro é o Tinder – simples e onipresente, que permite que os indivíduos escolham um “sim” ou um “não” para resumir os perfis de possíveis correspondências.

Quando duas pessoas dizem “sim” umas às outras, elas se tornam um par, e podem conversar mais. Devido a essa simplicidade, também é relativamente simples testá-los – outros formatos de encontros on-line podem ter formulários, questionários ou perfis intermináveis para preencher, enquanto o Tinder é orientado por uma única imagem.

Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência)

Com isso em mente, pesquisadores da ST & T Research, uma agência de neuromarketing na Holanda, decidiram investigar como diferentes características em uma imagem podem afetar o desejo de um potencial “match” ao usar o Tinder.

O Livro Mais Completo Sobre Neuromarketing

Mais de 300 referências, entre artigos científicos e livros, compilados em um guia completo sobre neuromarketing e comportamento de consumo.

O experimento

Como Tom van Bommel, o líder do estudo bem colocou:

“Ao longo da última década tem havido uma grande quantidade de pesquisas sobre como você pode prever algo fora da atividade cerebral – isso ainda não foi feito com o namoro – com uma das partes mais importantes da vida – QUEM SERÁ O SEU PARCEIRO. Então essa lacuna foi bastante interessante para nós.”

Com uma elegante configuração experimental configurada no iMotions, Tom e seus colegas puderam apresentar 27 participantes a uma réplica do Tinder, pedindo-lhes para aceitar ou rejeitar (deslizar para a direita ou para a esquerda, respectivamente) as fotos de 30 possíveis correspondências.

Como os estímulos são essencialmente simples, é relativamente direto manipular cada imagem, para ver como a mudança de cada parâmetro afeta o resultado – o participante desejar ou não a pessoa na imagem. Como Tom afirmou:

“Fizemos uma réplica do Tinder, porque queríamos controlar as fotos, mas não precisávamos fazer nenhuma concessão ao realismo.”

O método

Para o estudo, Tom e colegas usaram:

  • EEG (um ABM B-Alert X10)
  • Rastreamento ocular (com um Eye Tracker Tobii X3-120)
  • Medidas comportamentais (aceitar ou rejeitar as fotos)

Com essa abordagem, eles conseguiram extrair informações sobre a atividade cerebral enquanto os participantes olhavam e reagiam às imagens.

Uma das informações cruciais que eles usaram foi uma medida de assimetria pré-frontal – um registro da atividade cerebral que se relaciona com a diferença de atividade entre os dois lobos frontais. Em essência, ela indica a abordagem ou os sentimentos de evitação dos participantes.

O dispositivo EEG da ABM também calcula métricas predefinidas, como a carga de trabalho cognitiva, que podem ser usadas para determinar o grau de carga mental de certos estímulos.

Combinando essas medidas, os pesquisadores foram capazes de determinar a atividade cerebral dos participantes em tempo real, e assim amarrar isso às imagens que os participantes viram.

As descobertas

Uma das primeiras descobertas que Tom e seus colegas descobriram foi que o aumento da assimetria pré-frontal (na banda teta) estava positivamente correlacionado com o sucesso de cada imagem. Isso mostrou que o aumento do envolvimento do cérebro está ligado à atratividade da imagem.

Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência) 2
O aumento da atividade da onda teta (6-10 Hz) foi associado ao aumento da atração em Tinder. Imagem: adaptado de Imotions®

Indo um passo adiante, os pesquisadores também analisaram o nível da carga de trabalho cognitivo, em relação à atratividade da imagem (se os participantes passaram para a esquerda ou para a direita).

O que eles descobriram foi uma informação útil para aqueles que procuravam melhorar seu perfil on-line – uma correlação mostrou que, à medida que a carga de trabalho aumentava, era menos provável que os participantes fossem atraídos para a pessoa na imagem.

As melhores dicas

Para aqueles que buscam mais dicas sobre como usar a ciência para melhorar o sucesso de seus aplicativos de namoro, a equipe da ST & T trabalhou cinco parâmetros que estão ligados ao nível de carga cognitiva e relacionou o impacto de cada imagem ajustada, e como se saía quando apresentada aos participantes.

Eles descobriram os seguintes aspectos de atratividade de uma imagem:

  1. Contraste – o nível de diferença entre as partes claras e escuras da imagem;
  2. Ruído – quantos elementos de distração existem na imagem;
  3. Outras pessoas – se outras pessoas estavam ou não na imagem;
  4. Composição – o close de perto, ou longe;
  5. Obstrução facial – óculos de sol!

Testando cada uma, os pesquisadores descobriram que a receita para uma foto perfeita no Tinder consiste em:

  1. Alto contraste;
  2. Baixo ruído;
  3. Sem outras pessoas na foto;
  4. Foto de close-up;
  5. Sem óculos de sol – isso teve o efeito mais drástico sobre a chance de sucesso no “match”.

Exemplos de imagens que aumentariam a carga de trabalho cognitiva por meio desses parâmetros são mostrados abaixo, bem como imagens que exigiriam menos carga de trabalho. Imagens que exigem uma grande quantidade de processamento cognitivo parecem menos atraentes dentro de um contexto de namoro online.

Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência) 3
As imagens acima aumentam a carga de trabalho cognitiva. Imagens com ruído, várias pessoas visíveis, um baixo constraste, tiradas de uma distância relativamente distante, e o uso de óculos escuros diminuíram a atratividade do potencial “match”. Imagem: iMotions®
Como fazer sucesso no Tinder (com a ajuda da neurociência) 4
As imagens acima não exigem um alto nível de carga cognitiva. Apenas imagens simples, com alto contraste e imagens em close-up, sem quaisquer obstruções faciais (por exemplo, óculos de sol), aumentam a atratividade do potencial “match”. Imagem: iMotions®

Isso tudo foi possível utilizando uma abordagem biométrica – definindo as mudanças na atividade cerebral relacionadas ao sucesso da imagem, os pesquisadores conseguiram delinear quais recursos funcionariam e não funcionariam. Como o próprio Tom notou:

“A IMotions tornou isso incrivelmente fácil de fazer.”

Ao integrar vários sensores de forma síncrona, Tom van Bommel e sua equipe conseguiram construir insights nunca antes vistos sobre como nossas preferências são mostradas em um aplicativo de encontros.

E agora?

Embora essas descobertas sejam certamente uma mina de ouro para aqueles interessados na ciência da atração (ou apenas aqueles que procuram obter mais encontros), os pesquisadores já estão focados em outros campos (além de seu trabalho cotidiano como uma agência de neuromarketing), incluindo investigações de jogos de azar e mercados de ações.

Tom vê um futuro melhor para esse trabalho:

“Isso definitivamente vai crescer, porque toda vez que visitamos nossos clientes ou potenciais clientes para falar sobre pesquisas de neuromarketing, ouvimos com frequência: ‘vamos fazer mais com isso, temos que fazer mais com isso’ – eles estão realmente entusiasmados.”


Traduzido do original. Por: iMotions®

Como este conteúdo foi útil para você?

Clique em uma estrela para avaliá-lo

Avaliação média 4.3 / 5. Votos: 8

Sem votos ainda, seja o primeiro!

Já que você achou este conteúdo útil...

que tal seguir nas redes sociais?

Lamentamos por este conteúdo não ter sido útil para você...

Ajude a melhorar este conteúdo

Como podemos melhorar este conteúdo?