Descoberta a estrutura cerebral que controla nosso comportamento

Descoberta a estrutura cerebral que controla nosso comportamento 1

Traduzido do original em Neurosciencenews.


Para nossa vida social e nossa profissão, devemos ser capazes de lidar com o ambiente e com as outras pessoas. As funções executivas, ou seja, as habilidades intelectuais básicas que controlam o pensamento e a ação humana, nos ajudam a fazer isso.

Isso inclui a atenção seletiva, também conhecida como a capacidade de se concentrar em um estímulo e suprimir outros, ou a memória de trabalho, com a qual podemos reter e manipular informações. Essas funções também nos permitem planejar ações e dividi-las em etapas individuais.

No entanto, algumas pessoas não são capazes, encontrando dificuldades em se concentrar, planejar suas ações de uma forma orientada a objetivos e possuem pouco controle sobre seus impulsos e emoções. Elas sofrem de uma condição chamada síndrome desexecutiva, geralmente causada por um trauma craniocerebral ou um derrame.

Um dos afetados pela síndrome é um paciente de 56 anos, de Leipzig. Ela sofreu vários derrames que atingiram uma região estrategicamente muito importante do cérebro: a área de junção frontal inferior (IFJ) no lobo frontal do córtex cerebral, nos dois hemisférios.

Quer se tornar um especialista em Neuromarketing?


A lesão significava que ela não era mais capaz de passar por testes psicológicos básicos. O que inclui, por exemplo, a tarefa de planejar uma visita ao zoológico, na qual uma pessoa é solicitada a planejar um passeio em um zoológico de acordo com várias diretrizes, ou o teste Stroop, que mede quão bem alguém pode suprimir estímulos perturbadores e sem importância para concentrar-se em uma tarefa real.

A característica especial do paciente examinado: a lesão foi limitada apenas ao IFJ, em ambos os hemisférios do cérebro igualmente (ver figura). 

Descoberta a estrutura cerebral que controla nosso comportamento 2
Crédito: Matthias Schroeter et al

Normalmente, um acidente vascular cerebral fere áreas maiores do cérebro ou não é restrito a uma área definida. Além disso, raramente afeta as áreas homólogas nos dois hemisférios do cérebro ao mesmo tempo. Por mais difícil que seja a situação para o paciente, ela oferece uma oportunidade única para a ciência investigar o papel dessa região para as funções executivas.

“A partir de exames funcionais de ressonância magnética em pessoas saudáveis, já se sabia que o IFJ é cada vez mais ativado quando são necessárias atenção seletiva, memória de trabalho e outras funções executivas. No entanto, a prova final de que essas habilidades executivas estão localizadas ainda não foi fornecida.”

Explica Matthias Schroeter, primeiro autor do estudo subjacente e chefe do grupo de pesquisa Neuropsiquiatria Cognitiva do MPI CBS.

No entanto, evidências causais de tais relações funcional-anatômicas só podem ser obtidas quando as áreas são realmente desligadas – e, portanto, as habilidades de fato ali localizadas falham. “Conseguimos fornecer essa prova com a ajuda deste paciente.”

E não só isso; Além da abordagem clássica – atribuir funções individuais a uma região específica do cérebro com base nos danos cerebrais e nas deficiências correspondentes – os pesquisadores também adotaram a abordagem oposta: a abordagem de “big data” por meio de bancos de dados.

Esses bancos contêm informações de dezenas de milhares de participantes de muitos testes psicológicos e das áreas do cérebro ativadas no processo. Com a ajuda deles, os pesquisadores foram capazes de prever as deficiências do paciente apenas com base no dano cerebral determinado por exames cerebrais. Especialistas se referem a isso como leitura de sintomas, um método que pode ser usado no futuro para adaptar uma terapia a pacientes individuais e a seus danos cerebrais sem precisar testá-los em detalhes.

“Se os pacientes sofrem com a perda de funções executivas após um acidente ou acidente vascular cerebral, por exemplo, geralmente são menos capazes de regenerar as outras habilidades afetadas porque têm dificuldade em planejar para elas. No futuro, quando as imagens e os bancos de dados das lesões nos fornecerem informações mais detalhadas sobre quais regiões e, portanto, as habilidades, falharam, seremos capazes de adaptar a terapia ainda mais especificamente” , disse Schroeter.

Fonte: Instituto Max Planck
Pesquisa original: “From correlational approaches to meta-analytical symptom reading in individual patients: Bilateral lesions in the inferior frontal junction specifically cause dysexecutive syndrome” de Matthias Schroeter et al. Cortex doi: 10.1016 / j.cortex.2020.03.010


Traduzido do original em Neurosciencenews.

Como este conteúdo foi útil para você?

Clique em uma estrela para avaliá-lo

Avaliação média 5 / 5. Votos: 3

Sem votos ainda, seja o primeiro!

Já que você achou este conteúdo útil...

que tal seguir nas redes sociais?

Lamentamos por este conteúdo não ter sido útil para você...

Ajude a melhorar este conteúdo

Como podemos melhorar este conteúdo?