5 formas como o Natal afeta seu cérebro

Traduzido do original. Por Kira Shaw.


O Natal é uma época do ano sem igual; presentes são trocados, parentes pouco falados são contatados, e petiscos apetitosos são consumidos com grande prazer. O Natal pode ser, tanto um momento de estresse, quanto um momento de relaxamento. Mas se você ama ou odeia o Natal, é muito difícil evitar — e, assim, seu cérebro pode ser alterado pela experiência de uma forma ou de outra. Aqui estão algumas das principais facetas da experiência de Natal e como elas podem afetar seu cérebro.

O espírito festivo

A alegria que envolve o Natal pode influenciar algumas das substâncias químicas do cérebro (dopamina e serotonina) que afetam seus níveis de felicidade. Sabe-se que a dopamina está envolvida com o comportamento de recompensa e com a busca de prazer, e acredita-se que a serotonina aumenta nossos sentimentos de valor e pertencimento. Então, quando as pessoas falam sobre “alegria natalina”, elas podem ser as responsáveis.

De fato, pesquisadores da Universidade de Copenhague conduziram um estudo de imagem cerebral para tentar encontrar o “centro” do espírito natalino no cérebro humano. Aqui, os participantes foram apresentados a imagens temáticas de Natal e, naqueles participantes que ativamente celebraram o Natal, houve um aumento da ativação cerebral no córtex sensório-motor, o córtex motor pré-motor e primário, e o lóbulo parietal. Anteriormente, essas áreas do cérebro foram associadas à espiritualidade, aos sentidos corporais e ao reconhecimento das emoções faciais. Embora esses resultados devam ser interpretados com alguma cautela, é interessante notar os efeitos físicos que a sensação de festa pode exercer em seu cérebro.

Estresse

Nem todo mundo acha o Natal um momento inteiramente alegre e festivo — muitas pessoas acham muito estressante. Na verdade, o fardo de navegar em um movimentado shopping center para encontrar o presente ideal para sua outra metade, ou para cozinhar o peru perfeito para uma casa cheia de pessoas famintas, é suficiente para sacudir até a pessoa mais calma. O estresse pode exercer uma resposta física em seu corpo, com a liberação automática de adrenalina e cortisol. Além disso, o cortisol demonstrou ter um profundo efeito no hipocampo, o que pode diminuir sua memória e capacidade de realizar multitarefas.

Quer se tornar um especialista em Neuromarketing?


5 formas como o Natal afeta seu cérebro

Dar presentes

Dar e receber presentes é uma tradição antiga de Natal e não há melhor sensação do que ver os olhos de seus entes queridos quando você encontrou o presente perfeito para eles. Mas por que o ato de dar nos faz sentir tão bem? A generosidade tem sido associada ao circuito de recompensa do nosso cérebro, causando a liberação de dopamina e endorfinas. Pesquisadores descreveram uma “chapação de ajuda”, que é experimentada após a doação. As substâncias químicas que causam esta “chapação” podem reduzir o estresse e aumentar o seu desejo de repetir esses atos de bondade. Assim, enquanto você pode sentir doer o bolso depois de comprar um par de chinelos para sua tia-avó, seu cérebro, pelo menos, garante que você seja compensado com uma recompensa química.

Ligação com a família e amigos

A experiência de Natal por excelência envolve sentar em torno de uma mesa com seus entes queridos. Na verdade, é difícil imaginar o período festivo sem pensar em sua família e amigos. O vínculo entre você e aquelas pessoas especiais pode resultar na liberação de um hormônio chamado ocitocina no cérebro. A ocitocina — às vezes chamada de “hormônio do aconchego” — impulsiona o comportamento materno, a confiança e o apego social. Como tal, este hormônio pode ajudar a explicar esse sentimento acalentador e aconchegante que você recebe no Natal quando está cercado por aqueles que ama e confia.

Indulgência sem limites

Se entregar para nossa comida e bebida favoritas é parte da experiência do Natal — mas comer demais pode afetar seu cérebro. Foi demonstrado que ativa um caminho que liga o hipotálamo no cérebro ao sistema imunológico. Isso leva a uma resposta imune e a uma inflamação de baixo grau, o que pode explicar por que você pode se sentir bem depois de comer demais. Claro, isso não faz muito mal ao seu corpo depois de uma refeição extravagante de Natal — mas, quando comer demais se torna um problema de longo prazo, essa inflamação pode se tornar crônica e contribuir para o diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

Mas por enquanto, não se preocupe muito se você estiver com o Natal no cérebro, em breve você voltará ao seu estado normal em janeiro.


Traduzido do original. Por Kira Shaw.

Como este conteúdo foi útil para você?

Clique em uma estrela para avaliá-lo

Avaliação média 4.3 / 5. Votos: 9

Sem votos ainda, seja o primeiro!

Já que você achou este conteúdo útil...

que tal seguir nas redes sociais?

Lamentamos por este conteúdo não ter sido útil para você...

Ajude a melhorar este conteúdo

Como podemos melhorar este conteúdo?