Experiências que vendem: O poder do marketing experencial

Experiências que vendem: O poder do marketing experencial 1

Traduzido do original. Por Matt Johnson, PhD em Pop Neuro.


O marketing está fundamentalmente preocupado com as ações do consumidor. Tráfego da loja e tráfego do site. Cliques e conversões. Pilotos e Compras. Para onde quer que você olhe, comportamento é negócio. 

Todos esses são, sem dúvida, objetivos importantes. Mas e o design para a experiência do consumidor em si? Dito de outra forma, o que é Marketing Experiencial?

O que é Marketing Experencial?

O Marketing Experiencial é o estudo e a prática de criar experiências de consumo dentro do contexto de ativações de marca. Tem dois objetivos centrais: 1) projetar uma experiência momento a momento por meio de uma expressão física, interativa e multissensorial da personalidade da marca e 2) criar uma impressão duradoura, que aumenta a compreensão do consumidor sobre a marca. 

A gama de experiências possíveis é quase infinita. Como as marcas podem fundamentar seu pensamento para atingir esses dois objetivos? Dado o foco na experiência direta e interna do consumidor, é crucial adotar uma perspectiva neurocientífica. Com essa lente, vamos visitar ambos os objetivos do marketing experiencial. 

O design experiencial encontra o marketing experiencial

Primeiro, a experiência em si. Podemos pensar em uma ativação experiencial de marca como uma espécie de escultura. Criá-la exige disciplina, visão de longo prazo e uma forte dose de criatividade. Quando é trabalhada da maneira certa, é uma obra de arte que causa uma impressão duradoura no consumidor, transformando a maneira como ele pensa e sente a marca. 

O profissional de marketing experiencial é um escultor da experiência interior. O que é então o barro? Existem vários tipos de “matéria-prima” à disposição:

  • Experiências multissensoriais: A beleza do marketing experiencial é que pode proporcionar uma experiência imersiva que de outra forma não seria possível no mundo digital. E ao construir isto, os marketeiros são libertados para além dos simples e mais dominantes sentidos da visão e dos sons. Qual é o sabor, o cheiro e a sensação da experiência?
  • Tema, Esquema e Narrativa: Enquanto os 5 sentidos são os blocos básicos de construção da experiência perceptiva, os humanos não são meramente criaturas sensoriais. Somos máquinas de associação, que chegam a qualquer nova experiência com expectativas próprias, bem como a capacidade de captar padrões. Em suma, o designer precisa considerar o tema abrangente da experiência. É aqui que o designer experiencial também é um contador de histórias.
  • Interatividade do consumidor: o marketing experiencial deve atormentar os sentidos e criar uma história para os consumidores juntarem as peças. No entanto, não deve ser apenas um esporte para espectadores; os consumidores também podem mergulhar e se envolver com o meio ambiente. As possibilidades são infinitas. Esta não é apenas uma maneira divertida de interagir com a marca – como veremos em breve, também é crucial para construir memórias.
O poder do marketing experencial
Esta cafeteria em Seoul, na Coreia do Sul, faz o cliente se sentir em um desenho animado. Foto: Laiza Hill (https://laizahill.com/br/um-cafe-2d-em-seoul-coreia-do-sul/)

O design de memória encontra o marketing experiencial 

No marketing experiencial, a memória é absolutamente crucial. Imagine criar a experiência mais incrível, envolvente, alucinante e agradável. Mas no minuto em que o consumidor volta para casa e abre a Netflix, ele esquece tudo. A experiência mais incrível imaginável significa muito pouco se for rapidamente esquecida. O verdadeiro valor do marketing experiencial é criar experiências que não sejam apenas agradáveis ​​no momento, mas também memoráveis ​​a longo prazo.

E acontece que há uma ciência nisso; é aqui que brilha a perspectiva neurocientífica. Nem todas as experiências são igualmente memoráveis, e há coisas específicas que podem ser incorporadas à experiência para aumentar a força de ser lembrada mais tarde. Elas incluem:

  • Emoção: Você consegue se lembrar da última vez que comeu uma tigela de aveia sem graça no café da manhã? Provavelmente não. Se a experiência não produzir uma forte resposta emocional – boa ou ruim – o cérebro assume que não vale a pena lembrar. Experiências extremamente positivas são importantes de serem lembradas para que possamos tentar repeti-las. Experiências extremamente negativas são igualmente importantes de serem lembradas para evitá-las. É a aveia monótona que é dispensada com segurança.
  • O Efeito Pico-Fim: A intensidade emocional é crucial, mas a verdadeira arte vem do timing. Acontece que dois elementos possuem mais peso ​​quando se trata da memória geral de quão agradável foi uma experiência: o “pico” da experiência; o destaque e o final da experiência. Todo o resto se dissipa para segundo plano.
  • Interatividade: Uma experiência de marca interativa pode produzir prazer no momento, mas pesquisas indicam que também é crucial para a formação da memória. Experiências que permitem que os consumidores ‘sujem as mãos’ (seja figurativamente, literalmente, ou ambos) são muito mais propensas a serem lembradas mais tarde, pois envolvem nosso foco, forçam nossa atenção e produzem aprendizado corporificado. 

Marketing Experiencial como o Futuro do Marketing

Como vimos, uma abordagem de neuromarketing para o design experiencial é crucial para o envolvimento físico presencial. É tão importante quando se trata de ambientes phygital, e ainda mais importante em ambientes completamente digitais.

Seja em realidade virtual ou aumentada, o Metaverso, ou outra paisagem tecnológica emergente, em sua essência, o valor vem das mesmas duas fontes: 1) como distorce a experiência humana e 2) as impressões que cria. O contexto muda, mas o processamento fundamental do cérebro é constante.

Compreender a interação entre tecnologia e psicologia do consumidor é crucial. Pesquisas, por exemplo, começaram a indicar que o cérebro geralmente tem dificuldade em compartimentar experiências virtuais.

Em um experimento realizado em Stanford, crianças do ensino médio foram levadas ao laboratório, colocadas em um headset de realidade virtual e nadaram virtualmente com golfinhos por cerca de 20 minutos. Alguns meses depois, eles foram levados de volta ao laboratório e questionados sobre a experiência. Uma parcela significativa das crianças realmente se lembrou de que na verdade nadaram com golfinhos na vida real!

Vale lembrar que esse experimento foi realizado em 2010, quando a Realidade Virtual era relativamente prosaica. Quanto mais as experiências virtuais modernas podem distorcer nossas impressões e memórias?  

À medida que o entusiasmo pelo mundo digital continua, o design experiencial é crucial para que essas tecnologias sejam totalmente aproveitadas. Quanto mais sofisticada a tecnologia, mais importante é que ela seja fundamentada na neurociência da experiência.


Traduzido do original. Por Matt Johnson, PhD em Pop Neuro.

Como este conteúdo foi útil para você?

Clique em uma estrela para avaliá-lo

Avaliação média 5 / 5. Votos: 3

Sem votos ainda, seja o primeiro!

Já que você achou este conteúdo útil...

que tal seguir nas redes sociais?

Lamentamos por este conteúdo não ter sido útil para você...

Ajude a melhorar este conteúdo

Como podemos melhorar este conteúdo?